top of page
  • Foto do escritorMarcio Weber

Nosso Amigo Extraordinário


poster nosso amigo extraordinário

“Nosso Amigo Extraordinário” é o novo longa-metragem do diretor/produtor Marc Turtletaub (“O Quebra Cabeça”) e responsável por assinar a tarefa de produtor de filmes como “A Pequena Miss Sunshine”, “A Despedida” e “Loving - Uma História de Amor”. Neste novo projeto, o cineasta visa ocupar dois territórios distintos, mas que se complementam entre si. Trata-se de um retrato cômico e afetivo do envelhecimento e do território de elementos que flertam com a ficção científica. A história de um idoso solitário que mora sozinho, que não tem boas relações com os filhos e não é levado a sério perante a sociedade, não chega a ser uma novidade, mas aqui a tentativa de revitalizar a trama com requintes da fantasia, trazem alguns elementos particulares e até de estranheza para a narrativa.


Milton Robinson (Ben Kingsley de "Gandhi", 1982), após viver seus dias de forma bem repetida e padronizada, fazendo as mesmas reivindicações na assembleia da prefeitura local, assistindo os mesmos programas e tendo sérias divergências de como viver a vida com a filha, Denise (Zoe Winters da série "Sucession"). A vida pacata e repetida é abruptamente modificada com a chegada de um extraterrestre que promete modificar tudo que Milton já percebeu perante a vida.


nosso amigo extraordinário ben kingsley

Pela trama do filme, pode-se perceber uma mudança de tons, e é o que o roteiro, assinado por Gavin Steckler (roteirista da série "Review"), se propõe. Existe aqui uma ideia de abraçar a fantasia, mas de maneira tímida. Como se existisse uma ambiguidade entre a realidade e a ficção, colocando ao espectador uma certa dúvida do que de fato corresponde com o que está acontecendo.


Algo não tão distante do que foi proposto por "Meu Pai" (2020), uma obra que também é um retrato de um protagonista que passa por agravantes e situações mais suscetíveis na terceira idade. Porém, a aproximação entre os filmes ficam cada vez mais distantes à medida que a trama vai se encaminhando para os atos finais, onde a trama realmente se aproxima mais de filmes a obras dos anos 80, "E.T." (1982) e "Coccoon" (1985), e a figura do extraterrestre se torna determinante e nada figurativo para a interação e o desenvolvimento humano dos personagens.


elenco nosso amigo extraordinário

O tom adocicado e próximo de filmes de “sessão da tarde” programação vespertina populariza pela Rede Globo, que popularizou a transmissão de filmes com convenções conciliadoras e que trazem sentimentos de leveza ao espectador, é abraçada pela trilha sonora de Volker, que faz com que surja nas imagens temas de tom jocoso, suavizando e enfraquecendo caminhos mais dramáticos.


A principal questão de “Nosso Amigo Extraordinário” é não conseguir sair de uma sensação de impasse tonal, entre uma indecisão de abraçar a leveza e a tendência inspiradora da história a partir da fantasia, e o arco dramática representado pelo desgaste emocional de relacionamentos entre pais e filhos causados por diversos fatores como escolhas de vida e essências, e em especial, as doenças degenerativas que são estatisticamente mais recorrentes em pessoas idosas.


Mas, além disso, o próprio elemento fantástico do filme representado pelo extraterrestre demonstra certa falta de tato, uma presença que já gera alguma repulsa por estar quase nu e um desconforto pela composição visual, apresentando certos graus de estranheza, ainda mais por não proferir sequer uma palavra e ser tão carregado na expressão facial. Isso é ainda mais gritante depois de algumas ações mais severas apresentadas no roteiro ao longo da trama. Existe também uma presença deslocada e banalizada de serviços secretos do governo do FBI que pouco adicionam a trama.


Apesar de discutir temas importantes como o etarismo, o lugar de idosos e a falta do lugar de escuta para o idoso na sociedade, a falta de equilíbrio entre o drama, a comédia e a fantasia comprometem a mensagem, apesar de apresentar momentos sensíveis e um belo desfecho.

 

FICHA TÉCNICA

Diretor: Marc Turtletaub

Roteiro: Gavin Steckler

Produção: Marc Turtletaub, Alex Turtletaub, David Bausch, Michael B. Clark, Andy Daly e Deborah Liebling

Direção de Fotografia: Christopher Norr

Direção de arte: Randall Richards

Edição: Ayelet Gil Efrat

Trilha sonora: Volker Bertelmann

Comments


bottom of page